Manter as cadeias alimentares globais vivas é crucial durante a crise do COVID-19

Notícias -
Rádio Somos Todos Primos

QU Dongyu - Diretor-Geral da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO)

A pandemia do COVID-19 está colocando enormes tensões nos sistemas de saúde pública em todo o mundo, e milhões de pessoas nas economias mais avançadas do mundo estão em alguma forma de quarentena.

Sabemos que a perda de vidas humanas será alta e que grandes esforços para a reverter têm um alto custo econômico.

Para reduzir o risco de perdas ainda maiores – escassez de alimentos para milhões de pessoas, mesmo em países ricos -, o mundo deve tomar medidas imediatas para minimizar as interrupções nas cadeias de suprimento de alimentares.

É necessária uma resposta globalmente coordenada e coerente para impedir que essa crise de saúde pública desencadeie uma crise alimentar que impeça as pessoas de encontrar ou obter alimentos.

Até agora, o COVID-19 não exerceu pressão alguma sobre a segurança alimentar, apesar de relatos isolados de que os supermercados foram invadidos.

Embora não haja necessidade de pânico – há oferta suficiente de alimentos no mundo para alimentar a todos -, devemos enfrentar o desafio: um enorme risco de que os alimentos não estejam disponibilizados onde for necessário.

A epidemia COVID-19, que resultou em fechamentos de fronteiras e confinamentos, criou restrições logísticas que afetam as longas cadeias de valor da economia global moderna.

Restrições de movimento, bem como comportamento básico de aversão por parte dos trabalhadores, podem impedir os agricultores de cultivar e processadores de alimentos (que lidam com a maioria dos produtos agrícolas) do processamento. A escassez de fertilizantes, medicamentos veterinários e outros insumos também pode afetar a produção agrícola.

O encerramento de restaurantes e mercearias menos frequentados reduz a demanda por produtos frescos e provenientes da pesca, o que afeta produtores e fornecedores, particularmente pequenos agricultores, com consequências a longo prazo para a população mais urbanizada em todo o mundo, seja em Manhattan ou Manila.

A incerteza sobre a disponibilidade de alimentos pode induzir os formuladores de políticas a implementar medidas comerciais restritivas ao comércio, a fim de salvaguardar a segurança alimentar nacional.

Dada a experiência da crise global dos preços dos alimentos em 2007-2008, sabemos que essas medidas podem apenas agravar a situação.

As restrições de exportação impostas pelos países exportadores para aumentar a disponibilidade de alimentos no mercado interno podem levar a sérias interrupções no mercado mundial de alimentos, resultando em picos de preços e aumento da volatilidade dos preços.

Em 2007-2008, essas medidas imediatas se mostraram extremamente prejudiciais, especialmente para países com déficit alimentar de baixa renda e para os esforços de organizações humanitárias para obter suprimentos para os necessitados e vulneráveis.

Todos devemos aprender com o nosso passado recente e não cometer os mesmos erros duas vezes.

Os formuladores de políticas devem tomar cuidado para evitar o aperto acidental das condições de fornecimento de alimentos.

Enquanto todos os países enfrentam seus próprios desafios, a colaboração – entre governos e toda a gama de setores e partes interessadas – é fundamental. Estamos enfrentando um problema global que requer uma resposta global.

Devemos garantir que os mercados de alimentos estejam funcionando adequadamente e que informações sobre preços, produção, consumo e estoques de alimentos estejam disponíveis para todos em tempo real. Essa abordagem reduzirá a incerteza e permitirá que produtores, consumidores, comerciantes e processadores tomem decisões informadas e contenham comportamento de pânico injustificado nos mercados globais de alimentos.

Os impactos à saúde da pandemia de COVID-19 em alguns dos países mais pobres ainda são desconhecidos. No entanto, podemos dizer com certeza que qualquer crise alimentar resultante de uma má elaboração de políticas será um desastre humanitário que podemos evitar.

Já temos 113 milhões de pessoas que sofrem de fome aguda em todo o mundo e, na África Subsaariana, um quarto da população está desnutrida. Qualquer interrupção na cadeia de suprimento de alimentos intensificará o sofrimento humano e o desafio de reduzir a fome no mundo.

Devemos fazer todo o possível para não deixar isso acontecer. Prevenção custa menos. Os mercados globais são essenciais para mitigar os choques ligados a oferta e demanda entre países e regiões, e devemos trabalhar juntos para garantir que as interrupções nas cadeias de suprimentos de alimentos sejam minimizadas o máximo possível.

O COVID-19 nos lembra com força que solidariedade não é caridade, mas senso comum.

QU Dongyu
Diretor-Geral da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO)

Roma, 28 de Março de 2020

Comentar
 

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais nem utilize linguagem imprópria.

Últimas

Topo