“Falta o Estado assumir o custo da dupla insularidade”, diz Presidente do Governo Regional

Filipe Nascimento considera que a autonomia permitiu a ilha do Príncipe manifestar claramente seu potencial, mas é preciso dotá-la de mais autonomia. Sobretudo, de autonomia financeira, para que ela dê passo na consolidação do desenvolvimento.

Notícias -
Rádio Somos Todos Primos

No dia em que a ilha do Príncipe celebra 26 anos da sua autonomia, o Presidente do Governo Regional defendeu que a ilha precisa de mais autonomia para avançar no seu processo de desenvolvimento.

Em entrevista à Rádio Nacional, Filipe Nascimento afirmou que “a autonomia permitiu ao Príncipe, de forma muito inequívoca, poder manifestar claramente o seu potencial no que toca ao processo de desenvolvimento”, mas considerou que “é fundamental que este processo, que vem dando muitos ganhos ao país, tenha reconhecimento nesta vertente financeira e patrimonial para que se fale de uma verdadeira autonomia”.

Segundo o mesmo, a falta desta autonomia financeira e patrimonial tem sido um “grave entrave” para o processo de desenvolvimento da Região Autónoma do Príncipe. “Estamos a falar da necessidade para intervenções estruturantes que vem condicionando a vida da população que reside no Príncipe”.

O Presidente do Governo Regional acusa os deputados da Assembleia Nacional de “falta de sensibilidade política” para reforço da autonomia da ilha.

“Consistentemente, temos deparado com dificuldades a nível de sensibilização política para se dar outro passo. Nós temos defendido que é necessária uma revisão da Constituição da República. Tivemos um chumbo (da revisão] do Estatuto na Assembleia Nacional, algo que até então, a população do Príncipe continua a gerir com muita tristeza”, refere.

Filipe Nascimento realçou a importância de uma lei de finanças regionais, um instrumento “muito importante para o avanço mais considerado neste processo de consolidação de autonomia”.

O elevado custo de vida no Príncipe, em comparação com São Tomé, a precária ligação inter-ilhas e falta de outras condições básicas, tem suscitado, constantemente, reclamações da população da ilha que exige mais intervenções do poder central.

O Presidente do Governo Regional destacou os principais problemas que afectam a ilha actualmente, nomeadamente, o abastecimento regular de combustível e do mercado, problemas energéticos e de ligação, e exigiu mais responsabilidade do Estado.

“O que falta é o reconhecimento do próprio Estado em assumir este custo de dupla insularidade (…), e o Estado tem que olhar para esta questão como questão definitivamente fundamental para que a população do Príncipe tenha o seu custo de vida mais reduzido”, afirmou Filipe Nascimento.

A pandemia da Covid 19 que afectou o país e o mundo, deixou a ilha do Príncipe, particularmente, com a situação económica condicionada devido a sua dependência ao turismo. De forma a se conseguir minimizar este impacto, sobretudo na população, o governo regional defende que se deve reforçar investimentos públicos.

De acordo com Filipe Nascimento, “enquanto não temos uma ideia clara de quando é que se criará condições para a retoma do turismo, temos lançado um repto ao Estado santomense de que se deve olhar para as alternativas neste momento”.

A reforçar investimento público, segundo o mesmo, absorveria a mão-de-obra que se encontra desempregada neste momento e contribuía para que as famílias continuassem a ter algum rendimento.

“A proposta que estamos a fazer ao Estado, particularmente, ao governo central, é que se deve realizar mais transferências de recursos financeiros para as autoridades regionais, para que possamos fazer mais investimentos públicos e dar oportunidade de mais emprego para absorver muita mão-de-obra neste momento”, explicou o líder do Governo Regional.

A cerimónia comemorativa do 26º aniversário da autonomia da ilha da Príncipe foi presidida pelo Presidente da República, Evaristo Carvalho, e ficou marcada por algumas actividades.

Comentar
 

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais nem utilize linguagem imprópria.

Últimas

Topo