Governo suspende Diretor da Rádio Nacional por suspeita de assédio sexual

O Governo são-tomense suspendeu hoje o diretor da Rádio Nacional, Silvério Amorim, com base em fortes acusações de assédio sexual de um grupo de funcionárias e estagiárias do órgão estatal, disse à Lusa fonte do Governo.

Notícias -
Rádio Nacional

 A demissão surge na sequência da denúncia de uma antiga estagiária que acusou o diretor da Rádio Nacional de perseguição por não ter correspondido aos seus desejos sexuais.

“O senhor diretor queria que eu deitasse com ele, por esforço” denunciou a jovem, que diz ter informado o secretário de Estado da Comunicação Social, em agosto do ano passado, sobre a situação, mas que não foi tomada “nenhuma medida”.

“O mais grave aconteceu num determinado dia em que o senhor diretor me chamou para o seu gabinete, convencida eu que se tratava de um assunto de trabalho, mas para o meu espanto ele trancou a porta e me agarrou, tentando beijar-me”, lê-se na carta da denunciante, com data de 28 de agosto de 2020, e endereçada ao secretário de Estado da Comunicação Social, Adelino Lucas.

“Eu não sou a única vítima de assédio. São muitas que ele assediou”, explica a jovem, de 24 anos, e mãe de duas filhas, num áudio que foi divulgado, recentemente, nas redes sociais.

Na terça-feira, quando foi questionado sobre o assunto, o ministro da Presidência do Conselho de Ministros, Comunicação Social e Novas Tecnologias, Wuando Castro, disse que “o Governo está a par” e estava a “ouvir as pessoas envolvidas e outros funcionários da Rádio Nacional”, tendo prometido para hoje uma decisão sobre este caso.

O governante e o secretário de Estado da Comunicação Social reuniram-se com a denunciante, mais duas funcionárias da Rádio Nacional e uma antiga estagiária que também dizem ter sido assediadas pelo Diretor da Estação.

O diretor da Rádio Nacional, Silvério Amorim, através de uma mensagem no Facebook, referiu que “foi com muita indignação e surpresa” que tomou contacto “com a megacampanha de difamação” contra a sua pessoa.

O diretor suspenso negou todas as acusações, referindo que nunca teve “contacto e nem qualquer interesse” na denunciante, tendo revelado que “tratando-se de uma matéria de foro judicial, está em curso uma ação para o efeito”.

Num segundo decreto também divulgado hoje, o secretário de Estado da Comunicação Social decidiu que Silvério Amorim “fica impedido de usar os microfones da Rádio Nacional, enquanto durar todo o processo de inquérito”.

Comentar
 

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais nem utilize linguagem imprópria.

Últimas

Topo