MESARO Aurora

Chuvas torrenciais causaram duas mortes, seis desaparecidos e muitos danos materiais em STP

“Todas as lojas da baixa da cidade capital foram inundadas. Os produtos, os eletrométricos que estiveram na superfície/no chão a água inundaram”, disse o comissário dos Bombeiros.

País -
Chuvas

Pelo menos duas crianças morreram na ilha de São Tomé, na sequência de inundações causadas por chuvas intensas que começaram na terça-feira, e que provocaram também prejuízos avultados, disseram à Lusa responsáveis são-tomenses.

“Há registo de duas mortes. Uma menor de 10 anos, na zona de Boa Morte, que caiu numa vala e outra é uma menor de 1 ano e 28 dias que escapou na mão do pai na zona de ponte Sambú [distrito de Lembá] e foi arrastada pelo rio”, afirmou o comissário dos Serviços de Proteção Civil e Bombeiros, Edson Bragança, acrescentando um dos corpos ainda não foi encontrado.

Segundo o comissário, houve 12 inundações em várias localidades do país, incluindo na capital, São Tomé, embora a zona mais afetada seja a do norte, e há três pontes destruídas e estradas cortadas por causa do deslizamento de terras.

“Nós temos também conhecimento que seis pescadores da zona de Praia Melão que saíram ontem por volta das 4 horas da madrugada e até agora não apareceram”, adiantou

As chuvas em São Tomé começaram a intensificar-se na terça-feira por volta das 12:00, depois houve um intervalo das 15:00 às 18:00 prolongando-se até a tarde desta quarta-feira.

“Todas as lojas da baixa da cidade capital foram inundadas. Os produtos, os eletrométricos que estiveram na superfície/no chão a água inundaram. Também tivemos cerca de 10 viaturas que nós tivemos que tirar das zonas das enchentes”, explicou.

“Em consequência destas inundações tivemos também a queda de três pontes, a ponte Paga Fogo, Ponte de Brigoma e de Lembá”, tudo na zona norte do país, distrito de Lembá, a mais afetada, sublinhou o responsável da Proteção Civil do país.

Já na parte norte do país, os vários deslizamentos de terras provocaram o corte de algumas estradas.

Assim, “da Lagoa Azul, até à capital [do distrito], Neves, a estrada está a fazer-se só num sentido”.

De Neves para Santa Catarina, na zona de Diogo Vaz, “a estrada está mesmo impedida por deslizamentos de terra”, adiantou.

Segundo o responsável da Proteção Civil, hoje de manhã equipas estavam a tentar desobstruir essas vias rodoviárias cortadas.

Últimas

Topo