MESARO Aurora

Governo prepara medidas coercivas para diminuir recusas de pulverização contra paludismo

“Nós não podemos continuar a conviver com estas pessoas que querem prejudicar aquilo que é o objetivo de todos”, declarou o primeiro-ministro

País -
PALUDISMO

O Governo vai adotar medidas mais coercivas visando as pessoas que recusam a pulverização das casas contra o paludismo e comprometem a meta do país de eliminar a doença em 2025, anunciou na segunda-feira o primeiro-ministro.

“Nós não podemos continuar a conviver com estas pessoas que querem prejudicar aquilo que é o objetivo de todos. Começamos pela sensibilização – mais numa atitude pedagógica -, mas naturalmente vamos passar a uma outra fase de atitude mais musculada, mais coerciva”, disse Jorge Bom Jesus, admitindo o recurso à coerção policial “se de facto as recusas continuarem a aumentar”.

O chefe do Governo falava após receber os profissionais de saúde para pulverização de sua casa, no arranque do 20.º ciclo de pulverização contra o paludismo e os mosquitos da dengue em São Tomé e Príncipe, que teve início no distrito de Água Grande.

“É um ato de cidadania. Todos têm que contribuir para o bem comum e ninguém está acima deste desígnio nacional que é de lutarmos todos contra o paludismo, esse flagelo que vem dizimando vidas humanas há várias décadas, que tem tolhido a nossa economia, a nossa sociedade, atrapalhando as nossas vidas e o futuro das nossas crianças”, considerou o primeiro-ministro.

Jorge Bom Jesus defendeu que é preciso o envolvimento de todos para que o país mantenha a meta de eliminar a doença em 2025, que “está um pouco comprometida por causa da incúria, da irresponsabilidade de muita gente que fecha as portas das casas” à pulverização.

“Eu com esse ato é não só para dar exemplo, mas para mostrar que toda a gente tem que se implicar neste tipo de exercício e de adesão porque basta um são-tomense recusar a pulverização que isso vai comprometer precisamente esta meta de 2025”, referiu Jorge Bom Jesus.

O primeiro-ministro realçou que o Governo vai continuar a “sensibilizar, a mobilizar todos os atores: políticos, empresários, a sociedade no seu todo e, sobretudo, a população” para abraçar esta causa e o país continuar a prosseguir a meta de eliminar a doença em 2025, na qual conta com o financiamento do Fundo Global e de muitos outros parceiros.

Tudo isto custa muito dinheiro que nós não temos e que os parceiros colaboram connosco, de forma muito generosa, muito solidária, e aquilo que nos pedem é o mínimo dos mínimos, que é colaboração”, defendeu Jorge Bom Jesus.

Os dados do Programa Nacional de Luta Contra o Paludismo apontam o “incremento acelerado de casos de paludismo desde finais de 2021”, sendo que entre janeiro e maio houve “um registo de 1.647 casos de paludismo acumulados”, representando mais 1.023, se comparado ao mesmo período do ano passado.

O Presidente são-tomense afirmou no início de maio que o aumento alarmante de casos de paludismo no país representa um grande problema de saúde pública e de entrave ao desenvolvimento, defendendo a reavaliação da estratégia para a eliminação da doença em 2025.

 “Em São Tomé e Príncipe registamos um abrandamento considerável nos progressos já alcançados nos anos anteriores para reduzir os casos de paludismo e de mortes causadas por esta doença, mas lamentavelmente o nosso país voltou a conhecer um aumento de casos desde finais do ano de 2021 até à data presente”, afirmou Carlos Vila Nova, na abertura da reunião da Comissão Nacional de Luta Contra o Paludismo (CNLCP).

O chefe de Estado são-tomense realçou que o país regista “um aumento considerado alarmante”, o que representa “um grande problema de saúde pública e de entrave ao desenvolvimento”.

Além de registar aumento do paludismo São Tomé e Príncipe, o Governo anunciou no início do mês um surto da dengue, com confirmação laboratorial de 30 dos 41 casos notificados, entre os quais quatro internados, mas sem ocorrência de óbitos.

Últimas

Topo