MESARO Aurora

Bienal de artes e cultura de São Tomé e Príncipe promove intercâmbio entre países da CPLP

São Tomé e Príncipe acolhe a partir de sábado, 25 de junho, a nona bienal das artes e cultura do arquipélago com a participação de vários artistas dos países de Língua Portuguesa visando promover maior intercâmbio cultural sob o tema “à (re) descoberta do nós.”

Cultura -
IX-Bienal-stp

“A bienal pretende ir da história ao património comum, do património comum, passando pelas utopias todas, e dessas utopias ao futuros […] ver este momento presente das ausências que nós constatamos nas artes, na cultura, para haver uma maior circulação, maior intercâmbio entre nós dos países de língua portuguesa”, disse à RSTP o coordenador da Casa das Artes Cultura e Utopias (CACAU), João Carlos Silva, enquanto promotor da Bienal.

O evento “é como se fosse uma viagem” que visa criar as condições necessárias para que São Tomé e Príncipe possa funcionar como um verdadeiro Entreposto Cultural e Laboratório de Criação Artística para o espaço lusófono e para a sub-região, e desta forma advogar e promover a reflexão e discussão de políticas de promoção e valorização cultural.

“Temos que construir, cada um de nós, desse grande grupo que faz parte da lusofonia, as nossas próprias narrativas hoje quase 50 anos das nossas independências, senão não faz muito sentido existir a CPLP”, referiu o mentor.

O evento vai decorrer até 25 de julho com “um destaque muito grande para o teatro, a dança e a música, e as residências artísticas” bem como “para a celebração gastronómica dos vários países presentes”.

“Ao mesmo tempo que vamos ter conversas à (re) descoberta de nós com vários convidados e falarmos de tudo um pouco, de manifestação cultural dos países da língua portuguesa, mas da interligação que existe entre as manifestações culturais são-tomenses e as manifestações culturais desses países”, completou.

Segundo João Carlos Silva, a bienal destaca também diversas manifestações culturais, “muitas em risco de desaparecimento”.
“Temos manifestações culturais que devem ser consideradas, num primeiro momento património nacional, para depois, e no caso concreto do ‘tchiloli’, ser trabalhado numa forma transversal e numa parceria público privada […], um trabalho conjunto, interdisciplinar, ao nível nacional e internacional para a possível apresentação da candidatura do ‘tchiloli’ à património mundial”, afirmou.

Para o promotor cultural, a bienal ressalta a necessidade de fomentar o turismo cultural que “deve ser um dos seguimentos mais importantes do turismo em São Tomé e Príncipe a partir de uma perspetiva de não querer se instalar no país um turismo de massas”.

“À (re) descoberta do nós e dos povos de língua português” é o tema da bienal baseado em um texto de João Carlos Silva escrito nos finais da década de 90 que “assumia o papel da cultura como elemento fundamental para a transformação económica e social do País”.

“Esta é uma bienal de grandes provocações e pequenas provocações também. Uma grande provocação é dentro do nosso próprio espaço de país, de Nação, de Estado conhecemos pouco os nossos vários territórios, as nossas manifestações culturais estão a cair no esquecimento, não há uma política para educar, para levar para as escolas os nossos patrimónios que são vários, assim como nós também temos pouco conhecimento dos outros países da lusofonia”.

Até 25 de julho a bienal vai levar artes visuais, músicas, danças, gastronomia, filmes e documentários da lusofonia para vários distritos de são Tomé.
A peça “o riso dos necrófagos” do Teatro GRIOT, de Portugal, que tem como ponto de partida os acontecimentos da Guerra da Trindade, ocorrida em São Tomé, em fevereiro de 1953, será ponto alto da abertura da bienal que se realizará na Casa das Artes Cultura e Utopias (CACAU).

A IX Bienal de Arte e Cultura está inserida no projeto Entreposto das Artes STP e Cabo Verde, do PROCULTURA PALOP TL, Ação financiada pela União Europeia, Co-Financiada e Gerida pelo CAMÕES IP.

Últimas

Topo